Posts Em Destaque

Como pode ficar o financiamento da casa própria com os novos juros da Caixa

Novas taxas valem a pena para qualquer valor de imóvel, mas diferença maior será sentida nos financiamentos mais altos

 

A partir de segunda-feira (10), a Caixa Econômica Federal irá praticar juros mais baixos para os financiamentos da casa própria. Referência no setor, o corte nas taxas deve fazer muitas famílias voltarem às planilhas de gastos para ver se um imóvel próprio pode entrar nos planos.

 

Mas o cenário de incerteza na economia no início de 2019 deve frear o aquecimento desse setor, ou pelo menos reduzir o impacto que a ação da Caixa teria se a economia estivesse em crescimento. Especialistas no mercado imobiliário percebem que a medida do banco deve ser melhor aproveitada por aqueles que já estavam bem encaminhados no projeto de financiamento. — O que faz a diferença no mercado imobiliário é a economia de modo geral. Para entrar em um longo financiamento, as pessoas precisam estar empregadas e confiantes.

 

Não basta só juros baixos. Por si só, a redução não levará pessoas aos bancos.

 

Mas para quem já estava preparado, com uma reserva pronta, pode ser o empurrão que faltava — avalia o especialista em mercado imobiliário Marcelo Prata, fundador da Resale, plataforma digital para venda de imóveis. Há vantagem para qualquer valor de financiamento.

 

A partir de segunda, a taxa mínima para imóveis residenciais será de 8,5% ao ano, e a máxima será de 9,75% ao ano. Uma das novidades é que esses juros serão os mesmos para imóveis no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) — até R$ 1,5 milhão e com uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) — e no Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), acima desse valor e sem uso do Fundo.Como os juros no SFI costumavam ser maiores, a vantagem será maior para imóveis acima de R$ 1,5 milhão.

 

De acordo com cálculo do coordenador do MBA em Finanças do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), Filipe Pires, para um imóvel de R$ 2 milhões, a economia com as novas taxas chega a R$ 421 mil. — Mas isso não quer dizer que a redução vale mais a pena, ou é mais indicada, para imóveis nessa ou naquela faixa.

 

O benefício da medida se estende para todos, em maior ou menor escala, conforme o valor do imóvel — analisa Pires.Uma outra simulação, feita pelo educador financeiro Adriano Severo, revela uma economia de R$ 4 mil para um finamento de R$ 100 mil na Caixa pelo Sistema de Amortização Constante (SAC), no qual as parcelas têm valores decrescentes.

 

Fonte: GAUCHAZH Economia

Please reload

1/10

(51) 3072.5656

Visite nossa página

no Facebook

De 2ªf a 6ªf, das 9h às 17h

Rua Vig. José Inácio 433/506 - CEP 90020-100 Porto Alegre/RS - Centro HIstórico

(51) 9 9721.3463

1/2

1/2

1/2

1/2

1/2

1/2